Sábado, 29 de abril de 2017
Fale conosco
Nº 37 - Dezembro de 2009
Boletim Eletrônico - Nº 37
Homenagem aos 10 anos do CREF3/SC
O trabalho do Conselho Regional de Educação Física de Santa Catarina (CREF3/SC) recebeu o reconhecimento da Assembléia Legislativa do Estado. Em Sessão Especial realizada no dia 8 de outubro, a ALESC prestou homenagem aos 10 anos do Conselho e à passagem do Dia do Profissional de Educação Física, no dia 1º de Setembro.
O caminho percorrido pelo CREF3/SC durante a década foi apresentado em vídeo, que contemplou as ações desenvolvidas pela entidade, as parcerias que garantiram a evolução da Educação Física no Estado e todo o trabalho para que a profissão e os profissionais continuem atuando para garantir que a atividade física seja realizada com qualidade. Em discurso emocionado, o presidente do CREF3/SC, Marino Tessari, destacou o trabalho de todos os envolvidos para a instalação do conselho em Santa Catarina. “Tudo começou com o sonho de regulamentar a profissão e hoje vemos que o futuro reserva mais avanços e trabalho para a Educação Física no Estado”, ressaltou.
Em nome dos homenageados, a diretora da Vigilância Sanitária de Santa Catarina, Raquel Bittencourt, agradeceu a oportunidade de contribuir para que a profissão seja valorizada em todo o Estado. “De alguma maneira, cada um colaborou para o desenvolvimento do conselho e também da Educação Física, que promove uma vida mais saudável a todos os brasileiros”, disse.
Fonte: CREF 3/SC
Personal trainer sem registro é preso em PE
O Conselho Regional de Educação Física da 12ª Região (CREF12/PE-AL) realizou em dezembro, acompanhado pela Polícia Militar local, a primeira prisão no Estado de Pernambuco provocada pelo exercício ilegal da profissão. O caso ocorreu no município de Petrolina, onde uma ação do Conselho fiscalizou academias de ginástica.
De acordo com a chefe de fiscalização do CREF12/PE-AL, Rosângela Albuquerque, a prisão ocorreu devido ao exercício ilegal da profissão por um personal trainer, que atuava no parque municipal Josefa Coelho sem registro.
“Este senhor já havia sido alertado que praticar atividades privativas de uma profissão regulamentada, sem o devido registro em seu conselho de categoria profissional, é crime. Mas ele não se intimidou, continuou atuando e provocando lesões nos usuários dos seus serviços”, explicou Rosângela.
Como o crime é afiançável, ele foi liberado após ser ouvido e assinado o Termo Circunstancial de Ocorrência (TCO).
Fonte: Portal IG
Projeto leva capoeira para a terceira idade
Você já imaginou ver seus avós jogando capoeira? Isso está sendo possível graças a um projeto desenvolvido pelo Professor de Educação Física, Clemilson de Oliveira (CREF 004158-G/CE), do Grupo da Melhor Idade do bairro Vila União, no município de Sobral, Ceará. As aulas de capoeira desenvolvidas objetivam atender a um grupo formado por 60 idosos. Toda manhã de quinta-feira eles se reúnem na sede da associação do bairro. Com isso, explica Clemilson Oliveira, eles estão adquirindo segurança, equilíbrio e melhoria da autoestima. “A capoeira é um esporte que além de atrativo, é bom para o corpo e para a mente”, disse ele.
O professor destaca que a vantagem de implantar a capoeira como atividade para o grupo devolveu aos participantes o interesse em participar dos movimentos. “Além da prática, nós oferecemos a oportunidade para que eles possam compreender um pouco da cultura afro-brasileira, que não deixa de ser uma filosofia de vida”.
Fonte: Diário do Nordeste
Atividade física x Qualidade de vida
A prática de atividades físicas não se traduz, necessariamente, em mais qualidade de vida. É preciso avaliar o tipo de atividade e as circunstâncias em que ela é praticada. Essa relação foi o tema de um estudo de doutorado defendido pela professora de Educação Física Ana Lúcia Padrão dos Santos (CREF 007308-G/SP) na Escola de Educação Física e Esporte (EEFE) da USP, sob orientação do professor Antônio Carlos Simões (CREF 000020-G/SP). A relação entre atividade física e qualidade de vida a princípio pode parecer óbvia, mas a pesquisa mostrou o contrário.
Ana Lúcia explica que é fácil cometer equívocos quando se estuda esses dois temas sem o rigor acadêmico em relação aos conceitos. “Estudamos qualidade de vida segundo um conceito científico, pois ela pode ser avaliada sob inúmeros aspectos e ser relacionada a diferentes motivadores. Já na atividade física, usamos uma abordagem mais ampla, considerando-a como todo movimento feito por uma pessoa no período de 24 horas” esclarece.
A Profissional entrevistou 228 universitários, sendo 59 homens e 169 mulheres, com idade média de 28,7 anos, todos voluntários de uma instituição de ensino superior privada. A avaliação foi comparar os entrevistados com altos índices de qualidade de vida com aqueles que tinham um alto índice de gasto energético ao longo do dia.
Clique AQUI e confira a matéria na íntegra.
Fonte: Planeta Universitário.com