Sexta-feira, 23 de junho de 2017
Fale conosco
Nº 46 - Maio de 2010

Boletim Eletrônico - Nº 46
Estudantes e Profissionais fazem protestos em repúdio ao PL 5.186/05

Na última semana, estudantes e Profissionais de Educação Física fizeram manifestações em diferentes estados contra o texto atual do projeto de lei nº 5.186/05, que altera a “Lei Pelé”, criando o cargo de “Monitor de Esporte” para ex-atletas.

A Praça da Liberdade, em Belo Horizonte-MG, foi palco da manifestação “Apitaço” no dia 4 de maio. O protesto, promovido pela APEF-BH, e que contou com o apoio do CREF6/MG, reuniu estudantes e profissionais em um local histórico da capital mineira.

Dois dias depois, foi a vez da cidade do Rio de Janeiro e da capital federal protestarem contra o projeto de lei. Em Brasília, os manifestantes caminharam até a Esplanada dos Ministérios e ao Congresso Nacional, sendo uma comissão recebida pelo gabinete do senador Marcelo Crivella (PRB-RJ). O Conselheiro do CONFEF, Lúcio Rogério dos Santos, foi um dos que comandaram o protesto.

Já no Rio, cerca de 600 profissionais e estudantes se reuniram em frente à sede da Associação Brasileira de Imprensa (ABI), no Centro. Além do senador Crivella, participaram o deputado estadual Chiquinho da Mangueira (PMDB), os deputados federais Otávio Leite (PSDB-RJ) e Solange Amaral (DEM-RJ), além de diversos representantes da categoria. O movimento contou com o apoio do CREF1/RJ-ES

Os protestos representam uma resposta da sociedade, que exige o direito de ser orientada quanto às atividades físicas por um profissional habilitado e capacitado.

A luta continua!

Clique AQUI e assine o manifesto do CONFEF em repúdio ao texto atual do PL 5186/05.

Uma bela homenagem a um ícone da Educação Física brasileira

No dia 02 de maio o esporte carioca recebeu um belo presente com a inauguração da Vila Olímpica Professor Manoel José Gomes Tubino, em Jacarepaguá. Referência na Educação Física do país, Prof. Tubino foi o primeiro brasileiro a presidir a Federação Internacional de Educação Física (FIEP). Além disso, foi presidente do Conselho Nacional de Desporto (CND), maior instância do esporte na década de 1980, sendo responsável pela modernização da legislação esportiva no Brasil; presidente do Instituto Nacional de Esportes (INDESP); e Secretário Nacional de Esportes, na década de 1990, cargo com status de ministro.

Com capacidade para atender mensalmente cerca de três mil pessoas, o espaço possui pista de atletismo com dimensões oficiais; parque aquático; quadras poliesportivas; ginásio; salas especiais para atividades da terceira idade e de artes marciais; campo de futebol; quadras para vôlei de praia e de tênis; auditório e biblioteca; além de um parque infantil.

A inauguração contou com a presença do prefeito do Rio, Eduardo Paes, do governador Sérgio Cabral, do presidente do CONFEF, Prof. Jorge Steinhilber, dentre outras autoridades.
CREF14/GO-TO e Vigilância Sanitária de Caldas Novas realizam fiscalização

Em abril, foi realizada uma fiscalização em academias, clubes e hotéis do município de Caldas Novas (cidade turística de Goiás a 185 km da capital). Na ocasião, foram verificadas as condições da prestação de serviços e a habilitação dos profissionais que ministram atividades físicas e esportivas.

A equipe do CREF14/GO-TO, coordenada pelo presidente da Comissão de Orientação e Fiscalização, conselheiro Marcos Lopes de Oliveira, em conjunto com a Vigilância Sanitária municipal, estabeleceram prazos para a adequação das irregularidades encontradas. Apenas um estabelecimento foi lacrado pelas autoridades. No entanto, nove pessoas sem registros no CREF, que se passavam por Profissionais de Educação Física, foram denunciadas na Delegacia de Polícia Civil de Caldas Novas e terão que responder processo por exercício ilegal da profissão.

Conscientes da importância dos exercícios físicos e esportes para a saúde da população e dos turistas, os poderes legislativos e executivos de Caldas Novas criaram a Lei Municipal nº 1329/05, que regulamenta o funcionamento das academias e espaços similares no município, garantindo que somente profissionais legalmente habilitados possam dinamizar exercícios físicos e esporte no município.
Como explorar a corrida de orientação e o trekking nas escolas

Use percursos com obstáculos e traçados desafiadores e revele aos estudantes uma maneira diferente de praticar a corrida como esporte

Não há tempo a perder! O raciocínio precisa ser veloz. Depois de dar uma olhada no mapa e na bússola, a ordem é seguir para o próximo ponto, vencendo os obstáculos, até completar todo o trajeto no menor intervalo de tempo possível. Essa é uma cena típica da corrida de orientação, criada em 1918 pelo major sueco Ernst Killander (1882 -1958), que chegou aos quartéis brasileiros na década de 1970 e depois de dez anos conquistou os membros da sociedade civil.

Geralmente praticada em meio à natureza, a atividade guarda semelhanças com o trekking, um esporte de aventura. Em ambos, os participantes devem escolher a melhor rota para percorrer um terreno pouco conhecido e cheio de obstáculos e passar pelos postos de controle antes de cruzar a linha de chegada. Porém, na corrida de orientação, a luta é contra o relógio e a disputa é individual e no trekking os competidores são divididos em equipes e as regras ditam que vence quem mais se aproximar do tempo estipulado de duração da prova.

Clique AQUI e confira a matéria na íntegra.

Fonte: Revista Nova Escola